Exposição de Medicina Oriental, 2010 em Jecheon

O Brasil inaugurou na Exposição de Medicina Oriental que é  representado pela EMBRAPA e Laboratórios Tiaraju  um belo espaço de 36 metros quadrados no “World Oriental Medicine-Bio Expo 2010” em Jecheon.  Abaixo segue o artigo escrito pela jornalista Fernanda Diniz.  Obrigada Daniel Fink pela dica.

Embrapa marca presença em megaevento na Coreia

Cogumelos, plantas medicinais e pesquisas em parceria com povos indígenas serão alguns dos destaques da participação brasileira na exposição.

Brasília, 15 de setembro de 2010 – Começa amanhã (16/9) em Jecheon, Coreia do Sul, a Exposição de Medicina Oriental 2010. É um megaevento com duração de um mês (até o dia 16 de outubro), pelo qual devem passar cerca de um milhão de pessoas de vários países.  O objetivo é homenagear os dois mil anos da medicina oriental coreana e o seu valor comercial com o tema “A redescoberta da medicina oriental: ciência do movimento, industrialização e globalização”. A participação da Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária no evento está sendo organizada pelo Labex Coreia (laboratório virtual no exterior) e pela Embaixada do Brasil naquele país e será focada nas pesquisas de conservação e uso de recursos genéticos vegetais em prol do desenvolvimento sustentável da agricultura.

Além do pesquisador Maurício Lopes, que é o representante da Embrapa no Labex Coreia, dois pesquisadores da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, uma das 45 unidades da Embrapa, participarão do evento: Arailde Urben e Roberto Vieira.

Plantas medicinais nos biomas brasileiros

Como o tema do evento é a medicina oriental, um dos assuntos a ser apresentado pela Embrapa é o trabalho com plantas medicinais, que envolve pesquisas de coleta, caracterização e conservação dessas plantas em todos os seis biomas brasileiros (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Pantanal, Mata Atlântica e Pampas).

“A separação por biomas é também uma forma de facilitar a compreensão do assunto pelo público visitante, já que é bastante heterogêneo e representa diversos países”, explica Roberto Vieira.

O Brasil possui uma diversidade de etnias com forte influência em nosso hábito alimentar e cultural, particularmente no que diz respeito ao uso de plantas medicinais. Segundo Vieira, o principal objetivo da Embrapa é conhecer e conservar esses recursos genéticos vegetais para a identificação do seu potencial de uso como matéria prima para a indústria de fitomedicamentos.

A Embrapa, em colaboração com universidades, tem um programa para estabelecimento de bancos genéticos de plantas medicinais e aromáticas.

Há atualmente sete bancos de plantas medicinais nas seguintes unidades da Embrapa: Acre, Amazônia Ocidental, Amazônia Oriental, Clima Temperado, Rondônia e Recursos Genéticos e Biotecnologia. Além delas, outras unidades da Embrapa também desenvolvem pesquisas com plantas medicinais, como: Pantanal, Semiárido, Gado de Corte e Agroindústria de Alimentos.

União de saberes

Para coletar e conhecer melhor o potencial das plantas medicinais, a Embrapa aposta na união entre os saberes tradicionais e científicos. “Especialmente em relação às plantas medicinais, preservar o conhecimento popular é essencial, pois as informações sobre os usos das plantas são passadas pelos povos tradicionais de geração para geração”, ressalta o pesquisador.

Unindo saberes de povos tradicionais a modernas ferramentas de caracterização genética, a Embrapa busca na riqueza genética da biodiversidade brasileira a base para o desenvolvimento de tecnologias e produtos que possam melhorar a qualidade de vida da população.

A parceria da Embrapa com povos indígenas começou em 1995 com o povo indígena Krahô, do Tocantins, e se estendeu para outras comunidades indígenas no Brasil. Segundo a pesquisadora da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Terezinha Dias, a relação da Empresa com esses povos é fundamental para incentivar e ampliar o cultivo de espécies tradicionais, contribuindo assim para a conservação da sua variabilidade genética.

Cogumelos: nutrição e saúde

As pesquisas desenvolvidas pela Embrapa com cogumelos comestíveis também serão apresentadas na exposição. Os cogumelos são alimentos muito importantes na dieta dos coreanos e o consumo chega a 4 kg por habitante.

No Brasil, o consumo desses fungos – cerca de 130 gramas por habitante – ainda é pouco quando comparado com a Coreia e outros países como, por exemplo, a França onde o consumo chega a 2 kg por habitante, a Itália, onde se consome cerca de 1,3 kg, e a Alemanha, na qual o consumo alcança 4 kg.

Como são alimentos muito nutritivos, com quantidade de proteínas quase equivalente a da carne e acima de alguns vegetais e frutas, ricos em vitaminas e carboidratos, e com baixo teor de gordura, o objetivo da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia é contribuir para aumentar o consumo dos cogumelos pelos brasileiros.

Hoje, a Unidade conta com um banco de cogumelos para uso humano com mais de 300 espécies.

No dia 13 de agosto último, a Embrapa e a Administração de Desenvolvimento Rural da Coréia (RDA, sigla em inglês) promoveram o Workshop Brasil-Coreia sobre produção de cogumelos. Segundo a pesquisadora Arailde Urben, o Workshop e a participação na Exposição de Medicina Oriental 2010 na Coreia certamente vão contribuir para consolidar ainda mais a cooperação técnica entre os dois países na área agrícola.

Fernanda Diniz

Jornalista

Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia

Fones: (61) 3448-4769 e 3340-3672

E-mail: fernanda@cenargen.embrapa.br
Para mais informação veja o link : http://www.hanbang-expo.org/2ebookeng/english.pdf

ChuSeok – Dia de Ação de Graças

Na semana que vem vamos celebrar o dia de ação de graças, o ChuSeok, um dos feriados mais importantes e comemorado na Coreia.  O feriado é sempre observado na primeira lua cheia do mês durante a safra e costuma-se ter a duração de três dias para agradecer às boas colheitas anuais como também agradecer aos ancestrais.  De acordo com as tradições coreanas, quando uma pessoa morre, seu espírito não tem partida imediata, mas fica com os descendentes durante quatro gerações.  Durante esse tempo a pessoa que partiu continua sendo considerada como parte da família.  Os coreanos reafirmam o seu relacionamento parentesco durante o ChuSeok como também o Solal (ano novo lunar), comemorando a vida dos ancestrais. É muito comum que uma família tem reunião e piquenique no cemitério mas as vezes por ser muito longe ou de difícil acesso, as famílias se unem na casa do filho mais velho para celebrar o feriado.

Cemitério Coreano

Esse ano o feriado será nos dias 21, 22, 23 de setembro (o dia 22 sendo o dia de ChuSeok).  Muita gente volta ao interior visitando com família mas hoje  muita gente também viaja para fora do pais.  É a melhor época para ficar em Seul pois a cidade fica vazia e bem tranquila.  Muitas lojas e até mesmo restaurantes fecham para o feriado então é bom fazer supermercado com antecedência.  Vendinha de bairro tipo 7-Eleven ou G-Mart gerealmente fica aberto como também restaurantes em hotéis mais é bom fazer reserva antecipada para garantir espaço.

Troca de presentes entre famílias e amigos e até as Empresas dão presentes aos clientes e é muito comum.  Os presentes são sempre coisas úteis, tal como pacotes de carnes, peixes, óleos, biscoitos, frutas, etc.  Se encontra também lindas caixas de sabonetes e produtos de beleza todas embaladas cuidadosamente e muito bem  enfeitadas.  O clima agora começa a mudar aonde os dias são mais frescos e um pouco mais curtos.  Aproveitem o  feriado e tenha um bom ChuSeok!

Presente de peixes semi seco, salgado, GulBi